O que é compartimentação em avicultura?

  1. O que é?

A compartimentação descreve uma ou várias unidades produtivas com um sistema de gestão de Biosseguridade têm uma subpopulação animal comum com status sanitário diferenciado para doenças específicas que requerem levantamento, controle e medidas de biosseguridade voltadas para o comércio internacional. (OIE).

É um conceito que inclui o isolamento e cuidados sanitário e profilático dos plantéis a fim de evitar contaminação por organismos patogênicos. Neste sistema, ocorre uma estruturação da produção em compartimentos, que mapeiam e isolam plantas e estruturas de granjas. Além disso, o sistema de produção é fechado, no qual os ovos, os pintainhos, o abate, os caminhões de ração, ou seja, tudo deve circular dentro desse compartimento. Desse modo, o frango nasce, desenvolve-se e é abatido dentro desta unidade geográfica. Com isso, são dadas garantias aos países importadores, assegurando que o risco é insignificante para as importações de produtos avícolas brasileiros de regiões não afetadas.

No caso da avicultura, o objetivo é compartimentar para a Influenza Aviária e Doença de Newcastle.

A adoção da Compartimentação conforme as regras da OIE não é uma obrigação, mas uma iniciativa voluntária que parte das empresas que ensejam a certificação ao setor público.


O maior ganho com o sistema se dá pelo aumento da biosseguridade.

Quadro de Compartimentalização Avícola:



2. Quais os Requisitos?


O Serviço Veterinário Oficial do país deve ser eficiente e ter os meios para supervisionar e administrar o programa;

– Existência de um sistema eficaz de vigilância ativa e passiva, que engloba tanto o vírus de alta como o de baixa patogenicidade;

– Um sistema de identificação com o uso de registros de rastreabilidade, que permitam a identificação dos lotes de aves;

– Um sistema que permita a certificação oficial confiável a respeito do status sanitário dentro do compartimento e nos produtos que podem ser comercializados;

– Definição dos critérios gerais sobre as práticas de gestão e de produção, relacionados com a biosseguridade que se deve aplicar dentro do compartimento;

– Definição de planos de biosseguridade e de contingência pela empresa compartimentada, que devem ser revisados e atualizados periodicamente.

3. Quais os fatores de risco do programa?


A partir do documento publicado pela OIE, intitulado “Lista de averiguação para a aplicação prática do compartimento para Influenza Aviária e Doença de Newcastle” os critérios e procedimentos para a implementação de programas de compartimentação são:

– O abastecimento de água;

– A proximidade de animais suscetíveis à Influenza Aviária e Doença de Newcastle;

– Pessoas – controle de acesso e entrada com banhos;

– Veículos – acesso e procedimentos de lavagem e desinfecção;

– Equipamentos – entrada de material;

– Resíduos – eliminação de cadáveres, esterco e dejetos;

– A maravalha de madeira ou outro material para a cama e forração do ninho;

– Vacinas e produtos biológicos;

– Material genético;

– Ovos férteis e resíduos;

– Pragas – controle dos roedores, artrópodes;

– Ração – abastecimento e fonte.


Para mais informações a respeito da compartimentação, acesse:

http://www.oie.int/index.php?id=169&L=2&htmfile=chapitre_application_compartment.htm

http://www.oie.int/index.php?id=169&L=2&htmfile=chapitre_zoning_compartment.htm

https://scportais.com.br/voce-sabe-o-que-e-compartimentacao-da-avicultura/

https://avicultura.info/pt-br/compartimentacao-avicultura-brasileira/





5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo